Categories
Letras e Literatura Teologia

A sacristia como cenário de alegorias morais e místicas

Na sacristia do convento de Santo António do Varatojo, no concelho de Torres Vedras, podemos admirar um conjunto de painéis de azulejos figurativos com um programa alegórico realizado a partir da combinação das ilustrações de dois influentes livros de emblemas devocionais do século XVII.

O programa iconográfico, realizado entre os anos de 1723-34, e atribuído à oficina lisboeta de Policarpo Oliveira Bernardes, cobre parcialmente três das paredes da sacristia deste belo convento franciscano. No fundamental, é constituído por cenas alegóricas inspiradas nas gravuras de dois dos mais populares e difundidos livros de emblemas ascéticos do século anterior: os Pia Desideria de Hermann Hugo (primeira edição: Antuérpia, 1624), com dois painéis no nível inferior da parede sul, e a Schola cordis, de Benedictus van Haeften (primeira edição: Antuérpia, 1629), representada por seis painéis de azulejos do registo superior do programa.

Sacristia da igreja do convento de Santo António do Varatojo, Torres Vedras. Fotografia © JJGA.

São composições que aludem, em sintonia com a mensagem transmitida pelos livros originais, ao processo de aperfeiçoamento cristão e ao prazer da união divina por meio de uma ascese mística, ou ainda às provas a que o coração humano é submetido para alcançar o desapego dos assuntos materiais e a conversão a Deus.

O programa do Varatojo responde a uma tendência generalizada em Portugal, sobretudo durante o segundo quartel do século XVIII, que consistia em utilizar séries de composições simbólicas em salas auxiliares (refeitórios, sacristias…) de igrejas e complexos monásticos, em muitos casos de caráter feminino, baseadas em imagens de livros de emblemas como ponto de partida visual para estimular a devoção ou a meditação.

Como um cervo ofegante na busca de água… Policarpo de Oliveira Bernardes, c. 1723-1734. Fotografia © JJGA.

Este tipo de tratado emblemático foi utilizado como uma espécie de catecismo ilustrado, manuais de devoção ou oração com uma orientação marcadamente moralizante, facilmente acessíveis a potenciais leitores no seu idioma vernáculo (os Pia Desideria tiveram uma edição portuguesa; primeira edição: Joseph Pereira Veloso, Desejos piedosos de huma alma saudosa do seu divino esposo Jesu Christo, Lisboa, 1688). Trata-se de um processo inspirado no método jesuíta de meditação, apoiado por imagens alegóricas reconhecíveis, que são baseadas em citações bíblicas especialmente familiares e amáveis ​​­­­– Salmos ou Cântico dos Cânticos – e que podem, portanto, ser facilmente adaptadas a uma função de “ensino” de acordo com a sensibilidade conventual. É esta intenção que parece ser transferida para o programa do azulejo que nos interessa aqui, tendo em vista não só a tradução do latim para o espanhol – noutros casos para o português – das estrofes explicativas, como também de uma aparente tendência para selecionar aqueles emblemas que, pela sua dimensão visual, permitem uma compreensão e uma assimilação mais rápidas e fáceis do conceito.

Quemadmodum desiderat cervuus ad fontes aquarum. Hermann Hugo Pia Desideria © Rijskmuseum
Quemadmodum desiderat cervus ad fontes aquarum. Pia Desideria, Hermann Hugo. Fotografia © JJGA.

Entre os principais tópicos aludidos neste programa estão a necessidade de purificar as paixões e afetos negativos do nosso coração; a recusa dos desejos e das tentações materiais e a necessidade de seguir a via contemplativa; a importância de praticar virtudes como humildade e mansidão; ou, finalmente, a adoção do caminho do sacrifício e o sofrimento como o meio mais rápido e eficaz de alcançar a graça salvadora e a união mística com Deus. Desse modo, essas imagens continuariam a desempenhar a função edificante e exemplar de seus equivalentes livrescos, possivelmente de maneira mais direta e efetiva a partir das paredes de espaços ligados às vivências e às experiências confessionais coletivas dos utilizadores.

This image has an empty alt attribute; its file name is varatojocordised.jpgCordis Emollitio. Benedictus van Haeften. Schola cordis © Digitale Bibliotheek voor de Nederlandse Letteren
Cordis Emollitio. Benedictus van Haeften. Schola cordis. Fotografia © JJGA.

Um detalhe curioso é a tradução para o espanhol das redondilhas que aparecem na parte inferior dos painéis, inspiradas nas inscrições em latim de Van Haeften. É surpreendente que tais composições sejam originais, ou pelo menos não retiradas da única tradução espanhola disponível da Schola cordis (Escuela del corazón, Madrid, 1720) à época, sendo os versos de Varatojo uma proposta mais livre e menos literal do original latino. Não nos é possível apresentar neste momento uma hipótese plausível sobre a autoria ou as razões da escolha do espanhol para a tradução dos textos emblemáticos deste interessante e encantador programa de azulejos.

BIBLIOGRAFIA ESSENCIAL

MECO, José. Azulejaria portuguesa, Lisboa: Bertrand Editora, 1985. ISBN: 972-25-0054-6.

RIBEIRO, Frei Bartolomeu. Convento de Santo António de Varatojo, Torres Vedras: Gráfica Torriana, 2005.

GARCÍA ARRANZ, José Julio. “El programa emblemático en azulejos de la sacristía del convento de Santo António de Varatojo (Torres Vedras, Portugal)”, in De Arte. Revista de Historia del Arte, n. 17, 2018, pp. 77-94.

Convento do Varatojo, Torres Vedras

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

Connecting to %s