Categories
História

Os doze cavaleiros da Inglaterra nos jardins do Marquês de Fronteira

Os jardins da Quinta dos Marqueses de Fronteira, em Lisboa, formam um conjunto único que combina escultura, azulejos e embrechados para celebrar o triunfo da nova dinastia dos Braganças.

Os jardins da Quinta dos Marqueses de Fronteira, em Lisboa, formam um conjunto único que combina escultura, azulejos e embrechados para celebrar o triunfo dos heróis das Guerras da Restauração (1640-1668) e o início da nova dinastia dos Braganças.

A grande varanda dos reis, que permite uma vista maravilhosa sobre os jardins, é também uma galeria da história de Portugal. Formada pela sequência de bustos reais, conta a história desde o nascimento da nação até o delicado momento político da regência de D. Pedro II. Como o objetivo principal do conjunto era apagar o tempo da anexação espanhola, não fazia sentido ter os retratos dos monarcas da União Ibérica.

Para reforçar a importância da conquista bélica, o percurso começa na torre oeste, com o busto do Conde D. Henrique de Borgonha, pai do primeiro rei de Portugal, e termina na outra ponta, com o de D. Nuno Álvares Pereira, o herói militar responsável pela estrondosa vitória de Aljubarrota, em 1385, que ditou o fim das pretensões de Castela.

Retrato equestre de D. João Mascarenhas, c. 1670. © Teresa Verão.
Retrato equestre de D. João Mascarenhas, c. 1670. Fotografia © Teresa Verão.

Embaixo, nos belos arcos do tanque, doze cavaleiros lusos estão representados nos azulejos. Tal como cantou o poeta Luís de Camões nos Lusíadas, visitaram a Inglaterra, a pedido do Duque de Lencastre, para defender a honra de outras tantas donzelas. Formam uma mítica guarda de honra que representa o melhor do espírito cavalheiresco da aristocracia portuguesa.

Como é sabido, o momento político era delicado e, para além da guerra, D. Pedro II, preocupado com a impossibilidade de o irmão D. Afonso VI deixar descendência e garantir a futura independência do reino, organizou um golpe de Estado. Pela sua participação nas campanhas militares no Alentejo e pelo seu apoio político, João de Mascarenhas foi agraciado com o título de Marquês da Fronteira. Nos azulejos, tanto o marquês quanto o filho estão retratados ao lado dos doze cavaleiros.

O futuro do reino e o futuro da casa de Fronteira parecem assegurados, e os jardins estavam prontos para a celebração das núpcias do segundo marquês, D. Fernando de Mascarenhas, com D. Joana Leonor, filha dos Condes de Ataíde, em 1672.

Jardins da Quinta dos Marqueses de Fronteira, Lisbon. © CM.
Jardins da Quinta dos Marqueses de Fronteira, Lisboa. Fotografia © CM.

Apesar da ingenuidade da representação pictórica, é um dos mais importantes conjuntos de azulejos realizados para palácios de Portugal, numa demonstração da coerência que presidia a formulação desse tipo de programa iconográfico. Neste caso, é notável como a arquitetura do jardim e as construções efémeras erguidas para celebrar as entradas régias servem de mero suporte para o discurso das imagens que celebram o triunfo do amor e da paz.

BIBLIOGRAFIA ESSENCIAL

NEVES, José Cassiano. The palace and gardens of Fronteira: seventeenth and eighteenth century Portuguese style. 3ª editada e revista por Vera Mendes e Fernando Mascarenhas. Fotografia de Nicolas Sapieha. Lisboa: Quetzal Editores, 1995. ISBN 978-0935748987.

Lisboa, Quinta dos Marqueses de Fronteira

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

Connecting to %s