Categories
Artes

O rigor geométrico com ornamentos dourados

Os azulejos de padrões geométricos geralmente receberam uma decoração dourada, aplicada nas paredes, não relacionada com o processo de fabrico da cerâmica.

No convento de Nossa Senhora da Conceição de Beja, toda a igreja, incluindo o coro e parte da casa do capítulo, era revestida com padrões geométricos de azulejos, provavelmente encomendados na primeira década do século XVII.

Esses conjuntos começaram a ser eliminados pelas intervenções dos anos 1740-1741, mas foram posteriormente reaplicados, na desastrosa intervenção de 1895. É por essa razão que o claustro atualmente apresenta azulejos antigos dispostos em padrões geométricos modernos de ritmos intensos.

Apesar da relativa simplicidade técnica desses conjuntos, as composições geométricas são uma manifestação da cultura ornamental codificada pelos arquitetos, a qual tinha por objetivo uma decoração ajustada às ordens clássicas.

É importante lembrar que os azulejos com ponta de diamante, um padrão provavelmente criado nas oficinas de Talavera por volta de 1560, foram inspirados pelo influente tratado I Sette libri dell’architettura de Sebastiano Serlio. Essa codificação de uma cultura ornamental acompanhou uma mudança sentida a partir de meados do século XVI, quando os arquitetos assumiram a coordenação de todo o projeto decorativo dos edifícios.

Azulejos de padrão geométrico com ornamentos dourados, c. 1610. Fotografia © CM.

Mais importante, os conjuntos de azulejos verdes e brancos ou azuis e brancos frequentemente recebiam uma decoração dourada, aplicada já com os azulejos na superfície mural, sem relação com o processo de fabrico da cerâmica. Esses ornamentos dourados, relativamente frágeis, foram desaparecendo ao longo dos anos, mas ainda podem ser observados na casa do capítulo de Beja.

Os azulejos dourados conferiam um carácter verdadeiramente opulento à decoração, subvertendo por completo as supostas severidade e simplicidade de tais composições geométricas.

BIBLIOGRAFIA ESSENCIAL

SILVA, Libório Manuel & CARVALHO, Rosário Salema. Azulejos, Maravilhas de Portugal. Vila Nova de Famalicão: Centro Atlântico, 2017. ISBN 978-989-615213-0.

MANGUCCI, Celso. “Os arquitectos e a direcção das campanhas decorativas com azulejos” in ARTis ON, n. 6, junho de 2018, pp. 25-31.

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

Connecting to %s