Categories
Ciências Letras e Literatura

As virtudes dos planetas

Com frequência, os pintores e os poetas utilizaram os planetas do sistema solar para representar a excelência dos atributos dos reis e da nobreza.

O capitão espanhol Miguel de Barrios, membro da Academia dos Generosos, escreveu uma pequena peça teatral em louvor ao Conde de Vila Flor, um dos heróis militares da vitória portuguesa nas Guerras da Restauração. A ação passa-se no Palácio da Sabedoria e, para descrever as virtudes do proprietário, o autor convoca todos os planetas para a apoteose final, com a entrada de D. Sancho Manoel entre uma chuva de aplausos:

En hora buena el gran Don Sancho entre/ en los aplausos que le dá la gente./ En su fabrica admirable/ concurrimos con los siete Planetas, que siempre en el/ se compiten igualmente./ Cinthia le dio vigilancia./ Mercúrio ardid eloquente./ Venus gallardia afable./ El Sol franqueza solemne./ Marte valor formidable./ Jove grandeza clemente./ Saturno profunda Sciencia./ Lísia. Mi Reyno dignos laureles./ Sabid[uria]. Y yo en nombre de Miguel/ que a su sombra luzir quiere,/ este alcaçar le dedico,/ porque repita el celeste…/ En hora buena el gran Don Sancho entre/ en el Palacio que a su luz se ofrece.

Jupiter. Seven planets series. Jacob Matham after drawing by Hendrick Goltzius, 1597. Rijksmuseum.
Júpiter. Série dos sete planetas. Jacob Matham segundo desenho de Hendrick Goltzius, 1597. © Rijksmuseum.

De maneira semelhante, Valentin Stansel, o astrónomo tcheco que se radicou em Portugal, também utilizou os corpos celestes para elogiar D. Afonso VI que seguia as virtudes dos seus ascendentes assim como o Sol seguia as constelações do zodíaco:

Digo, como nascido Sol, porque a Excellencià que o Sol nascido tem no Ceo, logrà o luminoso Astro de Affonso, de poucos tempos nascidos em a Terra. Nasceo Sol seguindo os doze signos Celestes do Zodiaco; nasceo V. Magestade seguindo os signos de outro superior Zodiaco; simbolizado na esfera misteriosa do imperio Portuguez, que são as insígnias de Reaes virtudes, & exemplos dos Reys seus Avôs entrando por imitaçãm na jur[is]diçam de cada um pera os igualar a todos.

As ideias de ordem universal, hierarquia e poder são as principais razões para a escolha da analogia celestial, e na parte superior do arco triunfal erigido pela comunidade francesa, em 1687, nas celebrações do casamento D. Pedro II com D. Maria Sofia, a rainha solar foi representada como regente entre os seis planetas virtuosos: Saturno, Vénus, Júpiter, Marte, Lua e Mercúrio.

French community’s triumphal arch. João dos Reis – Copia dos reaes aparatos e obras que se ficeram em Lixboa na occasiam da entrada e dos desposorios de Suas Majestad, 1687. Biblioteca Nacional de Lisboa.
Arco dos Franceses. João dos Reis – Copia dos reaes aparatos e obras que se ficeram em Lixboa na occasiam da entrada e dos desposorios de Suas Majestad, 1687. © Biblioteca Nacional de Lisboa.

Na Quinta dos Marqueses de Fronteira, em Lisboa, os planetas foram representados por duas vezes: em escultura no terraço e nos painéis de azulejos do jardim.

Nos azulejos, Júpiter é o regente dos signos de Peixes e Sagitário e também das ciências, como a astronomia e a música representadas nas figuras laterais, exatamente como na gravura de Jacob Matham, impressa em 1597. Como nos exemplos que vimos ao princípio, são essas as qualidades que supostamente reluzem em João Mascarenhas, o primeiro marquês de Fronteira, proprietário da quinta.

BIBLIOGRAFIA ESSENCIAL

CORREIA, Ana Paula Rebelo. Histoires en azulejos: Miroir et mémoire de la gravure européenne. Louvain: Université Catholique de Louvain, 2005.

CUNHA, António Álvares da. Aplauzos academicos e rellaçaõ do felice successo da celebre victoria do Ameixial. Amsterdam: Jacob van Velsen, 1673.

NEVES, José Cassiano. The palace and gardens of Fronteira: seventeenth and eighteenth century Portuguese style. 3rd rev. ed. by Vera Mendes and Fernando Mascarenhas. Photography by Nicolas Sapieha. Lisboa: Quetzal Editores, 1995. ISBN 978-0935748987.

STANSEL, Valentin. Orbe Affonsino. Évora: Imprensa da Universidade, 1658.

Lisboa, Quinta dos Marqueses de Fronteira

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

Connecting to %s